NOVIDADES

CONHEÇA ALGUNS DOS LANÇAMENTOS QUE ESTÃO POR VIR.

FRAGUEIRO DA ESPERANÇA

E o padre Carmelo entrou. Velhinho, mirrado, branco que nem miolo de macaxeira, cabelos ralos que nem as terras de Fragueiro. Ele tinha uma estranha caixa nas mãos. Ajeitou-a sobre uma cadeira, olhou para o povo e disse:

- Irmãos! Neste dia de hoje, abençoado por Nosso Senhor Jesus Cristo e por Nossa Senhora, a Virgem Maria, quero dizer que teremos uma bênção muito especial, vinda de lá do outro lado do mundo, do Vaticano. A bênção dada diretamente por Vossa Santidade, o Papa Pio XI.

As pessoas franziram o cenho.Padre Carmelo, nesse instante, mexeu em alguma coisa na geringonça, que chiou e começou a falar sozinha.As pessoas nem esperaram para ver o que era.Entre sinais-da-cruz e orações, começaram a dar no pé.

- Valei-me, São Benedito!
- O padre trouxe foi o Sete-Peles!
- Queima ele, Jesus!
- Arreda!
- Eita que o troço do Padre tá com o demonho!
- Valei-me, São Cipriano!

E foi aquele corre-corre danado! Tudo que era Fragueirense saiu desembestado de dentro da Igreja, mesmo com o coitado do Padre Carmelo implorando para que todos voltassem. Mas que nada – metade do povo escafedeu-se, enquanto outra parte se acotovelava por detrás da carnaubeira da praça central.

A ESPADA E A BAINHA

No mesmo momento, os soldados estavam passando. Pararam imediatamente para interrogar Iernes.
- Velho! Parado! Estamos procurando por um homem com asas na cabeça, uma arvorezinha falante e um menino de uns treze anos! Você os viu?
 
Iernes pigarreou o cuspiu no chão. Esfregou as mãos nas costas, como se estivesse com dor, e falou, com voz gasta e quase inaudível.
 
- Menino? Asas na cabeça?
Os soldados se impacientaram.
 
- É, vovô! Um menino e um homem com asas na cabeça,
além de uma arvorezinha! Você os viu?
 
Iernes parou um instante, olhou para um lado, olhou para o outro, olhou para trás, em direção a Marquinhos e piscou. Imediatamente, os dois se ajeitaram por detrás de um enorme tronco um pouco à direita da trilha que levava até o rio.
 
- Bem... – falou aos soldados. – Eu vi... vi sim! Ah, se vi!